20 maio 2020

Enem | Português - Interpretação de Textos

Enem |  Português - Interpretação de Textos

 

Questão 01.

O processo de leitura da informação vinda do companheiro e do adversário é fundamental nos esportes coletivos. O participante de modalidades com essas características deverá, a todo momento, ler e interpretar as informações gestuais de seu companheiro e adversário que, por outra via, também é portador de informações. Estas deverão ser claras e legíveis para seu companheiro e totalmente obscuras para o adversário. Na interpretação praxiológica, seria aquele jogador que consegue ler as informações do adversário e posicionar-se da melhor forma possível, antecipando-se a seus adversários e ocupando os melhores espaços.

 RIBAS, J. F. M. Praxiologia motriz: construção de um novo olhar dos esportes e jogos na escola. Motriz, n. 2, 2005 (adaptado).

 

De acordo com a ideia de processamento de informação nas modalidades esportivas coletivas, para ser bem-sucedido em suas ações no jogo, o jogador deve

 

A identificar as informações produzidas por todos os jogadores, posicionando-se de forma fixa no espaço de jogo.

B refletir sobre as informações fornecidas por todos os jogadores e executar os gestos técnicos com precisão no jogo.

C analisar as informações dos adversários e, com base nelas, realizar individualmente suas ações, com o fim de tirar vantagem tática.

D fornecer informações precisas para os adversários e interpretar as dos companheiros, para facilitar sua tomada de decisão.

E interpretar informações de companheiros e adversários, agindo objetivamente com os primeiros e imprecisamente com os adversários. 

 

Questão 02.

Muitos trabalhos recentes de arte digital não consistem mais em objetos puros e simples, que se devem admirar ou analisar, mas em campos de possibilidades, programas geradores de experiências estéticas potenciais. Se já era difícil decidir sobre a paternidade de um produto da cultura técnica, visto que ela oscilava entre a máquina e os vários sujeitos que a manipulam, a tarefa agora torna-se ainda mais complexa.

Se quisermos complicar ainda mais o esquema da criação nos objetos artísticos produzidos com meios tecnológicos, poderíamos incluir também aquele que está na ponta final do processo e que foi conhecido pelos nomes (hoje inteiramente inapropriados) de espectadores, ouvintes ou leitores: numa palavra, os receptores de produtos culturais.

 MACHADO, A. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo: Edusp, 1993 (adaptado).

 

O autor demonstra a crise que os meios digitais trazem para questões tradicionais da criação artística, particularmente, para a autoria. Essa crise acontece porque, atualmente, além de clicar e navegar, o público

 

A analisa o objeto artístico.

B anula a proposta do autor.

C assume a criação da obra.

D interfere no trabalho de arte.

E impede a atribuição de autoria.

 

 Questão 03.

Ela parecia pedir socorro contra o que de algum modo involuntariamente dissera. E ele com os olhos miúdos quis que ela não fugisse e falou:

— Repita o que você disse, Lóri.

— Não sei mais.

— Mas eu sei, eu vou saber sempre. Você literalmente disse: um dia será o mundo com sua impersonalidade soberba versus a minha extrema individualidade de pessoa, mas seremos um só.

— Sim.

Lóri estava suavemente espantada. Então isso era a felicidade. De início se sentiu vazia. Depois seus olhos ficaram úmidos: era felicidade, mas como sou mortal, como o amor pelo mundo me transcende. O amor pela vida mortal a assassinava docemente, aos poucos. E o que é que eu faço? Que faço da felicidade? Que faço dessa paz estranha e aguda, que já está começando a me doer como uma angústia, como um grande silêncio de espaços? A quem dou minha felicidade, que já está começando a me rasgar um pouco e me assusta? Não, não quero ser feliz. Prefiro a mediocridade. Ah, milhares de pessoas não têm coragem de pelo menos prolongar-se um pouco mais nessa coisa desconhecida que é sentir-se feliz e preferem a mediocridade. Ela se despediu de Ulisses quase correndo: ele era o perigo.

 LISPECTOR, C. Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.


A obra de Clarice Lispector alcança forte expressividade em razão de determinadas soluções narrativas. No fragmento, o processo que leva a essa expressividade fundamenta-se no

A desencontro estabelecido no diálogo do par amoroso.

B exercício de análise filosófica conduzido pelo narrador.

C registro do processo de autoconhecimento da personagem.

D discurso fragmentado como reflexo de traumas psicológicos.

E afastamento da voz narrativa em relação aos dramas existenciais.

 

Questão 04.

O Ultimate Frisbee é um jogo competitivo praticado com um disco. Essa modalidade esportiva tem como característica mais interessante o fato de não contar com um árbitro. Apesar de ter regras preestabelecidas, estas são aplicadas conforme o consenso entre os praticantes.

GUTIERREZ, G. L. et. al. A construção de consensos numa prática esportiva competitiva: uma análise habermasiana do Ultimate Frisbee. Disponível em: www.efdeportes.com. Acesso em: 19 jun. 2012 (adaptado).

 

Em relação à aplicação das regras, o Ultimate Frisbee prevê

A contestação externa das posições assumidas no jogo.

B regras aplicadas com base em posições individualistas.

C entendimento mútuo na solução de lances controversos.

D dúvidas solucionadas pela opinião dos mais experientes.

E  definição das regras por meio de acordo entre os jogadores.

 

Questão 05.

Quanto às mulheres de vida alegre, detestava-as; tinha gasto muito dinheiro, precisava casar, mas casar com uma menina ingênua e pobre, porque é nas classes pobres que se encontra mais vergonha e menos bandalheira. Ora, Maria do Carmo parecia-lhe uma criatura simples, sem essa tendência fatal das mulheres modernas para o adultério, uma menina que até chorava na aula simplesmente por não ter respondido a uma pergunta do professor! Uma rapariga assim era um caso esporádico, uma verdadeira exceção no meio de uma sociedade roída por quanto vício há no mundo. Ia concluir o curso, e, quando voltasse ao Ceará, pensaria seriamente no caso. A Maria do Carmo estava mesmo a calhar: pobrezinha, mas inocente...

 CAMINHA, A. A normalista. Disponível em: www.dominiopublico.gov.br. Acesso em: 16 maio 2016.

Alinhado às concepções do Naturalismo, o fragmento do romance de Adolfo Caminha, de 1893, identifica e destaca nos personagens um(a)

 

A compleição moral condicionada ao poder aquisitivo.

B temperamento inconstante incompatível com a vida conjugal.

C formação intelectual escassa relacionada a desvios de conduta.

D laço de dependência ao projeto de reeducação de inspiração positivista.

E sujeição a modelos representados por estratificações sociais e de gênero.

 

Questão 06.

O “politicamente correto” tem seus exageros, como chamar baixinho de “verticalmente prejudicado”, mas, no fundo, vem de uma louvável preocupação em não ofender os diferentes. É muito mais gentil chamar estrabismo de “idiossincrasia ótica” do que de vesguice. O linguajar brasileiro está cheio de expressões racistas e preconceituosas que precisam de uma correção, e até as várias denominações para bêbado (pinguço, bebo, pé-de-cana) poderiam ser substituídas por algo como “contumaz etílico”, para lhe poupar os sentimentos. O tratamento verbal dado aos negros é o melhor exemplo da condescendência que passa por tolerância racial no Brasil. Termos como “crioulo”, “negão” etc. são até considerados carinhosos, do tipo de carinho que se dá a inferiores, e, felizmente, cada vez menos ouvidos. “Negro” também não é mais correto. Foi substituído por afrodescendente, por influência dos afro-americans, num caso de colonialismo cultural positivo. Está certo. Enquanto o racismo que não quer dizer seu nome continua no Brasil, uma integração real pode começar pela linguagem.

VERÍSSIMO, L. F. Peixe na cama. Diário de Pernambuco. 10 jun. 2006 (adaptado).


Ao comparar a linguagem cotidiana utilizada no Brasil e as exigências do comportamento “politicamente correto”, o autor tem a intenção de 


A criticar o racismo declarado do brasileiro, que convive com a discriminação camuflada em certas expressões linguísticas.

B defender o uso de termos que revelam a despreocupação do brasileiro quanto ao preconceito racial, que inexiste no Brasil.

C mostrar que os problemas de intolerância racial, no Brasil, já estão superados, o que se evidencia na linguagem cotidiana.

D questionar a condenação de certas expressões consideradas “politicamente incorretas”, o que impede os falantes de usarem a linguagem espontaneamente.

E sugerir que o país adote, além de uma postura linguística “politicamente correta”, uma política de convivência sem preconceito racial.

 

Questão 07.

Diante do número de óbitos provocados pela gripe H1N1 - gripe suína - no Brasil, em 2009, o Ministro da Saúde fez um pronunciamento público na TV e no rádio. Seu objetivo era esclarecer a população e as autoridades locais sobre a necessidade do adiamento do retorno às aulas, em agosto, para que se evitassem a aglomeração de pessoas e a propagação do vírus.

Fazendo uso da norma padrão da língua, que se pauta pela correção gramatical, seria correto o Ministro ler, em seu pronunciamento, o seguinte trecho:

A Diante da gravidade da situação e do risco de que nos expomos, há a necessidade de se evitar aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.

B Diante da gravidade da situação e do risco a que nos expomos, há a necessidade de se evitarem aglomerações de pessoas, para que se possam conter o avanço da epidemia.

C Diante da gravidade da situação e do risco a que nos expomos, há a necessidade de se evitarem aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.

D Diante da gravidade da situação e do risco os quais nos expomos, há a necessidade de se evitar aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.

E Diante da gravidade da situação e do risco com que nos expomos, tem a necessidade de se evitarem aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.

 

Questão 08.

As doze cores do vermelho

Você volta para casa depois de ter ido jantar com sua amiga dos olhos verdes. Verdes. Às vezes quando você sai do escritório você quer se distrair um pouco. Você não suporta mais tem seu trabalho de desenhista. Cópias plantas réguas milímetros nanquim compasso 360°. de cercado cerco. Antes de dormir você quer estudar para a prova de história da arte mas sua menina menor tem febre e chama você. A mão dela na sua mão é um peixe sem sol em irradiações noturnas. Quentes ondas. Seu marido se aproxima os pés calçados de meias nos chinelos folgados. Ele olha as horas nos dois relógios de pulso. Ele acusa você de ter ficado fora de casa o dia todo até tarde da noite enquanto a menina ardia em febre. Ponto e ponta. Dor perfume crescente...

CUNHA, H. P. As doze cores do vermelho. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2009.

A literatura brasileira contemporânea tem abordado, sob diferentes perspectivas, questões relacionadas ao universo feminino. No fragmento, entre os recursos expressivos utilizados na construção da narrativa, destaca-se a

A repetição de “você”, que se refere ao interlocutor da personagem.

B ausência de vírgulas, que marca o discurso irritado da personagem.

C descrição minuciosa do espaço do trabalho, que se opõe ao da casa.

D autoironia, que ameniza o sentimento de opressão da personagem.

E ausência de metáforas, que é responsável pela objetividade do texto.

 

Questão 09.

Pesquisa da Faculdade de Educação da USP mostrou que quase metade dos alunos que ingressam nos cursos de licenciatura em Física e Matemática da universidade não estão dispostos a tornar-se professores. O detalhe inquietante é que licenciaturas foram criadas exatamente para formar docentes.

A dificuldade é que, se os estudantes não querem virar professores, fica difícil conseguir bons profissionais.

Resolver essa encrenca é o desafio. Salários são por certo uma parte importante do problema, mas outros elementos, como estabilidade na carreira e prestígio social, também influem.

 SCHWARTSMAN, H. Folha de S. Paulo, 13 out. 2012.

Identificar o gênero do texto é um passo importante na caminhada interpretativa do leitor. Para isso, é preciso observar elementos ligados à sua produção e recepção. Reconhece-se que esse texto pertence ao gênero artigo de opinião devido ao(à)


A suporte do texto: um jornal de grande circulação.

B lugar atribuído ao leitor: interessados no magistério.

C tema tratado: o problema da escassez de professores.

D função do gênero: refletir sobre a falta de professores.

E linguagem empregada pelo autor: formal e denotativa.

 

Questão 10.

O primeiro contato dos suruís com o homem branco foi em 1969. A população indígena foi dizimada por doenças e matanças, mas, recentemente, voltou a crescer. Soa contraditório, mas a mesma modernidade que quase dizimou os suruís nos tempos do primeiro contato promete salvar a cultura e preservar o território desse povo. Em 2007, o líder Almir Suruí, de 37 anos, fechou uma parceria inédita e levou a tecnologia às tribos. Os índios passaram a valorizar a história dos anciãos. E a resguardar, em vídeos e fotos on-line, as tradições da aldeia. Ainda se valeram de smartphones e GPS para delimitar suas terras e identificar os desmatamentos ilegais.

 RIBEIRO.A.Não temos o direito de ficar isolados Época, n. 718, 20 fev. 2012 (adaptado).

 Considerando-se as características históricas da relação entre índios e não índios, a suposta contradição observada na relação entre suruís e recursos da modernidade justifica-se porque os índios

 

A aderiram à tecnologia atual como forma de assimilar a cultura do homem branco.

B fizeram uso do GPS para identificar áreas propícias a novas plantações.

C usaram recursos tecnológicos para registrar a cultura do seu povo.

D fecharam parceria para denunciar as vidas perdidas por doenças e matanças.

E resguardaram as tradições da aldeia à custa do isolamento provocado pela tecnologia moderna.



Enem |  Português - Interpretação de Textos

Gabarito 


1.  E

2. D

3. C

4. C

5. E

6. E

7. C

8. B

9. D

10. C


👉 Ebook Gratuito "Como Fazer Resumo": http://bit.ly/EbookResumo

💎 Cursos: https://portuguesemfoco.com/

💻 Dicas de Estudo: http://elianevieira.com/

❤️️ Assine o Canal: http://bit.ly/Assine_Canal

💬 Instagram: www.instagram.com/prof.elianevieira/

🔴 Facebook: https://www.facebook.com/Prof.ElianeV...

► Twitter: https://twitter.com/emfocoportugues


Enem | Enem 202 | Questões Enem | Prova Enem | Redação Enem | Enem Curso online | Português Enem


19 maio 2020

Português para Concursos | Concurso Cespe - Questões



Português para Concursos | Concurso Cespe - Questões comentadas

Saber resolver de forma objetiva as questões de Português é a melhor forma de você conseguir conquistar a sua aprovação. Se você estudar alguns tópicos fundamentais da matéria e se tiver uma estratégia bem definida para resolver as questões, você consegue aumentar (e muito) seu desempenho nas provas de Português tanto de nível médio quanto de nível superior.
No vídeo de hoje, vou comentar uma Questão de Português do Cespe (Cebraspe) Sobre Coerência Textual. 

25 março 2020

PROCRASTINAÇÃO | 05 Formas Práticas para Combatê-la



COMO ACABAR COM A PROCRASTINAÇÃO ?


A procrastinação é o ato de adiar as tarefas sem qualquer razão específica. Ela é uma barreira que te impede de se levantar, agir e viver a vida que você sempre sonhou. Hoje, vamos aprender 5 formas práticas de acabar com a procrastinação.


20 janeiro 2020

Português para Concursos - Cespe | Questões Com Gabarito


Português para Concursos  
Questões  Cespe 
Questões Com Gabarito 
Concurso TJ 


Banca Cespe - Questões Com Gabarito 














Questão 01.  O vocábulo “que” (ℓ.29) poderia ser substituído por o qual, sem alteração dos sentidos
e da correção gramatical do texto.

08 janeiro 2020

Concurso IBFC | Português para Concurso - Questões com Gabarito


Concurso IBFC | Português para Concurso  - Questões com Gabarito


Prova IBFC 2019 

Emdec - Assistente Administrativo Jr




TEXTO I
Há algum tempo, o software para hospital tinha uma única função principal, a gestão do negócio. O que se via eram módulos de faturamento, contas a pagar e receber, cálculo de folha e tarefas administrativas sendo geridas através dele. O corpo clínico e os computadores, portanto, viviam em mundos diferentes dentro da mesma instituição.
        Como muito da prática médica é sobre coletar e analisar informações, a Tecnologia da Informação passou a ter um papel crítico também na assistência à saúde. O surgimento de softwares especializados para o corpo clínico criou a necessidade de um novo olhar sobre os provedores de saúde no que diz respeito à tecnologia, agora onipresente na organização.
        Os benefícios da informatização na assistência à saúde são inúmeros e o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) é uma ferramenta tecnológica crucial para extrair plenamente esses benefícios. Além de centralizador da informação dos pacientes, ele se tornou um aliado do médico na prática diária. Hoje, esses sistemas geralmente são equipados com ferramentas de apoio a decisão clínica, que indicam possíveis interações medicamentosas e até auxiliam no diagnóstico através de referências de casos similares. Sem contar no acesso fácil a resultados de exames e imagens, evitando, inclusive, solicitações desnecessárias.
          Assim, o que antes estava amontoado no Serviço de Arquivo Médico e Estatística (SAME) em pastas e papeis embolorados, agora é largamente disponível de forma informatizada. Essa aproximação do corpo clínico e da TI é irreversível e muito proveitosa para todo o sistema de saúde, o que, no final das contas, significa melhoria nos cuidados dos seres humanos.

Questão 01. 
De acordo com o texto, assinale a alternativa correta.

07 janeiro 2020

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS | Nível Intermediário [ Questões com Gabarito]






INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS            

Nível Intermediário


Atenção:  As questões de números 1 a 3 baseiam-se no texto apresentado abaixo.

Texto I

Como declaração de princípios que é, a Declaração Uni-

versal dos Direitos Humanos não cria obrigações legais aos

Estados, salvo se as respectivas Constituições estabelecem
que os direitos fundamentais e as liberdades nelas reconhe-
cidos serão interpretados de acordo com a Declaração. Todos
sabemos, porém, que esse reconhecimento formal pode acabar
por ser desvirtuado ou mesmo denegado na ação política, na
gestão econômica e na realidade social. A Declaração Universal
é geralmente considerada pelos poderes econômicos e pelos
poderes políticos, mesmo quando presumem de democráticos,
como um documento cuja importância não vai muito além do
grau de boa consciência que lhes proporcione.

Nesses cinquenta anos não parece que os governos
tenham feito pelos direitos humanos tudo aquilo a que, moral-
mente, quando não por força da lei, estavam obrigados. As
injustiças multiplicam-se no mundo, as desigualdades agravam-
se, a ignorância cresce, a miséria alastra. A mesma esquizofrê-
nica humanidade que é capaz de enviar instrumentos a um
planeta para estudar a composição das suas rochas assiste
indiferente à morte de milhões de pessoas pela fome. Chega-se
mais facilmente a Marte neste tempo do que ao nosso próprio
semelhante.

Alguém não anda a cumprir o seu dever. Não andam a
cumpri-lo os governos, seja porque não sabem, seja porque não
podem, seja porque não querem. Ou porque não lho permitem
os que efetivamente governam, as empresas multinacionais e
pluricontinentais cujo poder, absolutamente não democrático,
reduziu a uma casca sem conteúdo o que ainda restava de ideal
de democracia. Mas também não estão a cumprir o seu dever
os cidadãos que somos. Foi-nos proposta uma Declaração
Universal dos Direitos Humanos e com isso julgamos ter tudo,
sem repararmos que nenhuns direitos poderão subsistir sem a
simetria dos deveres que lhes correspondem, o primeiro dos
quais será exigir que esses direitos sejam não só reconhecidos,
mas também respeitados e satisfeitos. Não é de esperar que os
governos façam nos próximos cinquenta anos o que não fize-
ram nestes que comemoramos. Tomemos, então, nós, cidadãos
comuns, a palavra e a iniciativa. Com a mesma veemência e a
mesma força com que reivindicamos os nossos direitos, reivindi-
quemos também o dever dos nossos deveres. Talvez o mundo
possa começar a tornar-se um pouco melhor.


(Trecho do discurso de José Saramago no banquete de encerramento da entrega do Prêmio Nobel, em 10 de dezembro de 1998. Transcrição segundo as normas brasileiras de ortografia.)

Questão01. 

No texto, o autor

Direito Administrativo - Questões de Concurso




Questão 01

Texto I 

Muitos  são  os  conceitos  encontrados  nos  autores modernos de direito administrativo. Alguns levam em conta apenas  as  atividades  administrativas em  si mesmas;  outros preferem dar relevo aos fins desejados pelo Estado. Em nosso entender,  porém,  o  direito  administrativo,  com  a  evolução que  o  vem  impulsionando  contemporaneamente,  há  de focar‐se  em  dois  tipos  fundamentais  de  relações  jurídicas: uma,  de  caráter  interno,  que  existe  entre  as  pessoas administrativas e entre os órgãos que as compõem; outra, de caráter externo, que se forma entre o Estado e a coletividade em geral. 

José dos Santos Carvalho Filho. Manual de direito administrativo.  

32.ª ed., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2018 (com adaptações).


Tendo o texto acima apenas como referência inicial, julgue o item a respeito do direito administrativo.


03 janeiro 2020

Os 7 Erros de Português mais Cometidos



Os 7 erros de Português mais Cometidos
Português Essencial - Você tem dúvida?


1. Ela Estava Meio Cansada. 

2. Ele veio por que queria falar com a Joana. 

3. Já fazem mais de três anos que ele fugiu.  

4. Vamos se ver amanhã.  

5. Ela descobriu a verdade, mais não quis acreditar.

6. Eles tem oito filhos!  

7. É proibido a entrada de animais.

Aula completa: 👇👇👇


26 dezembro 2019

QUESTÕES COMENTADAS FCC | VOZ PASSIVA


QUESTÕES COMENTADAS FCC | VOZ PASSIVA #63

Saber resolver de forma objetiva as questões de Português é a melhor forma de você conseguir conquistar a sua aprovação. Se você estudar alguns tópicos fundamentais da matéria e se tiver uma estratégia bem definida para resolver as questões, você consegue aumentar (e muito) seu desempenho nas provas de Português tanto de nível médio quanto de nível superior. Na videoaula de hoje, vou comentar uma Questão de Português da FCC (Fundação Carlos Chagas) Sobre Voz Passiva (transposição das vozes verbais).



25 junho 2019

QUESTÕES COMENTADAS FCC | TEMPOS e MODOS VERBAIS

Saber resolver de forma objetiva as questões de Português é a melhor forma de você conseguir conquistar a sua aprovação. Se você estudar alguns tópicos fundamentais da matéria e se tiver uma estratégia bem definida para resolver as questões, você consegue aumentar (e muito) seu desempenho nas provas de Português tanto de nível médio quanto de nível superior. No vídeo de hoje, vou comentar uma Questão de Português da FCC Sobre Tempos e Modos Verbais.

04 junho 2019

Questões Comentadas Vunesp | Concurso PM São Paulo

Questões Comentadas Vunesp |  Concurso PM São Paulo


Concurso PM/SP – 2019 (Banca Vunesp) - Saiu o Edital ✓ Cargo de Oficial Remuneração: R$ 3.116,76 Vagas: 190 Data da prova: 30/06/2019 Carga horária: 40 horas semanais Escolaridade: nível médio Prova Objetiva e Dissertativa ✓ Cargo de Soldado Remuneração: R$ 3.143,70 Vagas: 2700 Data da prova: 28/07/2019 Escolaridade: nível médio Prova Objetiva e Dissertativa ✓ Quais Matérias Priorizar?


11 abril 2019

Concurso Prefeitura de Salvador | Fundação Getúlio Vargas | Questões FGV com Gabarito


Concurso Prefeitura de Salvador | Fundação Getúlio Vargas 

 Questões FGV com Gabarito


Texto 1 


 Fontes murmurantes

Não se trata de uma referência às fontes murmurantes cantadas por Ary Barroso em sua "Aquarela do Brasil". As fontes em questão são outras, estão atualmente em debate nos meios jornalísticos e legais: o direito de proteger o sigilo das "fontes".

Contrariando a maioria, diria até a unanimidade dos colegas de ofício, sou contra este tipo de sigilo e, sobretudo, contra as fontes em causa. Tenho alguns anos de estrada, mais do que pretendia e merecia, e em minha vida profissional nunca levei em consideração qualquer tipo de informação que não fosse assumida pelo informante. 

Evidente que fui mais furado do que um ralador de coco. Mas não fiz minha carreira no jornalismo na base de furos, que nunca os dei e nunca os levei a sério, uma vez que a maioria dos furos são, por natureza, furados.